Superman contra A Elite (Superman versus The Elite 2012)

O jeito Americano. Somos os mocinhos. Salvo essas tiradas “de sempre”, temos aqui a essência do Super sendo testada. Um filme com um apelo dramático e muito superior ao que se costuma encontrar no cinema, no gênero de heróis. Imagine você um mundo onde o Super é um herói ultrapassado, ou seja, ele ainda insiste no modelo conservador baseado em leis e justiça.  Porém, um novo grupo de heróis vem ganhando força e popularidade: A Elite. E com eles o buraco é bem mais embaixo: não fazem prisões. Eliminam os vilões sistematicamente com o viés de erradicar criminalidade e injustiça no mundo. Daí, eu pergunto: funcionaria? É o que a animação se propõe a responder usando o mais correto e consagrado dos heróis dos quadrinhos: O Superman!

Como um narrativa fácil e com uma trama, digamos, neutra por não explorar grandes conspirações ou tramas, Superman contra A Elite (2012) é uma animação que surpreende. Aqueles que ainda não viram, vejam. Vale cada minuto. Em momentos como: “Não sou Juiz e nem Juri de ninguém” a animação vai plantando os valores do Homem de aço. E o enredo vai colocando em conflito a nova equipe de heróis com esses valores. Porém, de forma inteligente, bem gradual, e usando argumentos que realmente fazem você pensar. Seria o mundo melhor se a justiça sempre fosse executada diretamente? Quanto de dano colateral teríamos? Seria uma perda aceitável? Excelentes diálogos, boas colocações do Super e dos próprios integrantes da Elite.

Bem diferente do que se vê em “O Homem de Aço” (que fiz questão de não escrever sobre, detestei o filme), temos enfim o verdadeiro Super sendo explorado, questionado e desafiado. Esses novos blockbusters que têm roteiros fracos, pouco diálogo e quase nada de questionamento, não chegam aos pés de uma animação como essa. Aqui se vê o Clark e o Super enfrentando toda a situação como o herói que é. Não obstante, claro, os criadores do Super estão assinando o roteiro. Decisões difíceis, não apoiadas simplesmente em força e poder, fazem dessa animação uma super produção digna dos fãs do Homem de Aço. E mal comparando: aqui ele não deixa Metrópolis ser dizimada. Ele consegue contornar de maneira hábil e inteligente, saída digna do Super.

Imagina levar esse soco?

Imagina só levar esse soco?

Com hora e pouco é uma animação bem divertida, a qual quase não se percebe o tempo passando. Com boas tiradas, inclusive com outros membros da Liga da Justiça, Super versus A Elite é simplesmente o melhor roteiro do Super para animações até então. E pelo menos na minha humilde opinião, melhor que os últimos dois filmes em que o Kryptoniano “bato e depois pergunto” apareceu. Um contraste e tanto, aliás. Recomendo fortemente.

Deixe seu comentário