Lanterna Verde (Spoiler)

Esse foi o primeiro filme onde usei uma “cobaia” para me ajudar a avaliar. Um amigo meu que nunca ouvira falar de lanterna verde assistiu o filme comigo. E eu fiz questão de não contar nada sobre a história. Nada. Tanto sobre a origem nos quadrinhos ou mesmo sobre a adaptação desse filme. Eu queria a opinião imparcial de alguém que não conhece a história e contrabalancearia com a minha, que conheço. Resultado: fiasco! Eu não vou conseguir escrever uma boa crítica sobre esse filme sem entrar em detalhes. Portanto, vou escrever alguns spoilers. Não tem jeito …

Tropa dos Lanternas

Tropa dos Lanternas (Cartaz)

Vou começar dizendo que não consigo entender porque boas histórias precisam de tanta adaptação e firula quando vão para as telonas. A história original do lanterna é boa. Porque precisaram fazer tudo aquilo? E pecaram ao colocar tantos elementos de uma só vez. Isso prejudicou o entendimento de quem não conhecia a trama. Quem nunca leu Amanhecer Esmeralda pode até gostar do início do filme, mas eu que li não gostei. E meu amigo também não gostou. Lento demais, trocando muito a personalidade de Hall (ora destemido e corajoso, ora covarde e inseguro). Ryan Reynolds tenta, mas como não é lá nenhuma brastemp, não consegue convencer muito nessa troca de momentos.

Já tendo sido escolhido e ciente de suas novas responsabilidades, começa a pior parte da distorção do enredo. Hector Hammond (Peter Sarsgaard) que é um vilão clássico do Lanterna fica em segundo plano e com a origem alterada. Tudo bem que precisavam adaptar, mas quem conhece a história sabe que Parallax foi o próprio Hall e que sua empreitada como tal culminou em um dos clássicos reboots da DC. A mini série Zero Hora narra toda essa saga. Para mim grande parte da decepção com o filme veio dessa aberração na trama, que comprometeu praticamente todo o restante. Já para quem não conhece a história pode ficar a sensação de ter conhecido o Lanterna Verde. Mas quando sentar para conversar com alguém que realmente conhece, vai se sentir engando porque aquilo lá não passa nem perto … Foi assim com o meu amigo “cobaia”.

Sinestro ficou bem explícito no filme, exageraram na sua ênfase e tornaram bem claro quem é o próximo vilão que o Lanterna vai enfrentar. Outro vacilo grande. Podiam deixar isso em segundo plano e evoluir numa continuação. Mas pra que fazer um bom trabalho? Kilowog faz ponta no filme assim como Tomar-Re. Treinamento de Lanterna ao entrar na tropa? Nem pensar! Dez minutos combatendo Kilowog e em seguida Sinestro e pronto: Lanterna Verde formando e pronto pra ação.

Parallax
Parallax matando Hector???

Nada sobre a vulnerabilidade ao amarelo é citada no filme, nada sobre a carga do anel e tantos outros pontos curiosos sobre a tropa. O enredo voa para contar tudo até o final e acaba deixando quem não conhece a história completamente perdido.

A entidade Parallax do filme é colocada como um O vilão. Ela é um dos guardiões, seres com bilhões de anos de existência.  Nenhum lanterna jamais a havia vencido. De repente, um novato humano vai lá com e, toda a boa intenção do universo, mata a tal criatura sinistra que ninguém em bilhões de anos venceu …

Esse tipo de enredo chega a ser uma ofensa a quem curte filmes bem elaborados. Se bem que se compararmos a outros títulos da DC, como o caso do SuperMan Returns, Lanterna verde está no nível. Um filme bem fraquinho e sofrível. Fico na esperança que a franquia de Batman siga na boa linha que adotou (os dois últimos finalmente adaptaram bem a história) e que outros da Marvel (como os Vingadores) venham para me ajudar a esquecer esse filme do Lanterna. Uma pena.

Comentários

  1. A solução para o superman já foi tomada. Zack Snyder !
    Se isso não der certo, nada mais poderá salvar os filmes da DC e o batman só foi “O” batman por causa do coringa. Sem ele eu ainda não acredito no filme não.
    E sinceramente, nem vou falar sobre esse do lanterninha. Não vale os bytes.

  2. Flavio Dias
    em 04/09/2011 02:58

    Quando um executivo da indústria do cinema declara que a “história não importa” e que o investimento em marketing e efeitos é a força motriz de qualquer blockbuster, entendemos o porquê do resultado apresentado nas telonas. HQ é uma forma sofisticada de arte onde explode criatividade e lógicas apuradas de universos bem elaborados. É uma pena que boas histórias sejam maltratadas por essa indústria tão superficial. Vivemos uma era medíocre, onde pessoas acham que competência é apenas 10% do projeto, pois o marketing garante o resto. Bom, se fosse mesmo o caso, o filme Lanterna Verde teria enchido os cofres da Warner Bros de dinheiro.

  3. Fabio, exercício criativo: que tal eu, vc e Claudio reescrevermos esse roteiro, com a ajuda de quem mais quiser, e então no fim teremos pelo menos um roteiro que NOS agrade, rs rs rs rs. O filme, concordo, foi água de salsicha, completamente, rs rs rs.

Deixe seu comentário