Battleship, 2012

Efeitos visuais nota 10

Efeitos visuais nota 10

Filmes de ficção são o meu forte. Primeiro porque é meu gênero preferido. Segundo que o desafio de planejar bem um roteiro com tecnologia futura me faz viajar bastante. Não obstante participei do 2012 Onda Zero … Quando assisti ao trailer de Battleship achei que não seria lá grande coisa. As chamadas vendiam mais a parte visual do filme do que qualquer outra coisa. E isso se concretiza nas telonas durante os seus 131 minutos de duração: o filme é exclusivamente efeitos visuais.

O roteiro é bem batido. Nem por isso precisava ser tão raso e sem apelos. Quando comecei a assistir e vi que a entrada do filme era bem pastelão, achei que era uma estratégia do diretor Peter Berg (que tem Colateral na sua lista). Algo como: damos um introdução bem boba e pegamos o público quando o negócio ficar sério! Não, não foi isso. Na verdade passou bem longe. Realmente o negócio é uma invasão alien sem eira nem beira. Infelizmente, filmes desse gênero não consigo comentar sem dar spoilers. Nem tem como, eu me revolto com as colocações e situações ridículas que os produtores impõem aos telespectadores.

AVISO DE SPOILER

A humanidade encontrou um novo planeta com condições (até onde se sabe) para abrigar vida. Nenhuma novidade. Daí um projeto inovador (??? #1) de enviar um transmissão até eles para que soubessem que existimos. Preparam toda uma infra estrutura para fazer uma mega transmissão até o tal planeta. Um cena super maneira é exposta nessa hora e tudo muito legal. Porém, fiquei me perguntando que tipo de transmissão era aquela. Parecia mais um ataque ao planeta do que o envio de uma mensagem. Um mega tiro laser na direção do desconhecido planeta … Fora que levou no máximo 10 minutos para o sinal chegar lá … sem comentários.

Pronto para disparar o "Rádio a Laser" ...

Pronto para disparar o "Rádio a Laser" ...

A outra pérola do filme veio logo em seguida. Além do sinal ter levado lá seus 10 minutinhos para cruzar a galáxia e dar oi para nossos amigos, eles também são uns fanfarrões iguais a nós e já tinham tecnologia para fazer a viagem até aqui. Nunca vieram porque não tinham sido convidados, saca? Seria um senhora falta de educação da parte deles …. claro. E chegar aqui foi rápido, mais rápido do que a luz também. Chegaram aqui em coisa de dois anos (isso sendo generoso) cinco naves. Cinco naves em formação militar (??? #2) que vieram até o nosso sistema solar e são rapidamente detectadas (??? #3)  pela Nasa, exercito, marinha, amadores e aquelas vovozinhas bonitinhas que sabem que vai chover quando o joelho dói. Um vez que descobrimos que eles estão aí na porta do planeta, uma das naves não viu um satélite e” BATEU (repito: BATEU) e caiu. Sério mesmo que a raça alienígena cruzou sistemas e sistemas para entrar aqui, desviou de buracos negros, asteróides, cometas e uma infinidade de coisas (olha a referênica ao site!) e bate num satélite e cai? Como diria meu amigo Wagner Ribeiro: “essa doeu na vesícula que não tenho” …

Fiquem tranquilos: ninguém vai se machucar!

Fiquem tranquilos: ninguém vai se machucar!

A partir daqui consegui me divertir com o filme. Mudei a percepção de filme de ficção para comédia. E aí sim: o filme é divertido! Quando das tais naves já no chão e coisa toda rolando começaram as fanfarronices dos nossos novos amigos. Um pequeno números de soldados (ao menos pareciam soldados porque oficial mesmo não tinha ali) veio com as naves e não matava os seres humanos (??? #4). Vieram invadir, dominar e conquistar. Mas machucar não pode, ok? Sensacional o senso dos aliens sobre direitos humanos e tal.

Fui surpreendido também por um mecanismo automático que eles possuiam em suas armas. Ao perceber uma ameaça, sendo ela uma arma, situação ou mesmo uma pessoa, o mecanismo ativava um modo de ataque ou similar. Porém, se alguém simplesmente virasse a arma para outro lado a mecanismo desarmava (??? #5) e mostrava que estava tudo bem. Isso mesmo: se te apontam uma arma há perigo. Se apontar pro lado não, tá tudo bem. Seres definitivamente bem mais avançados que nós, sem dúvida.

Admitam: é ou não um ioiô alien?

Admitam: é ou não um ioiô alien?

Por fim, rolei de rir do ioiô das trevas que eles trouxeram. Que arma sensacional. Um ioiô capaz de destruir tudo e qualquer coisa. O ataque consiste basicamente em girar! Girar e destruir com o impacto. Lembrando: o ioiô também não mata, ok? Derruba elevados, prédios e navios. Mas se der de frente com uma criança, freia e desvia.

Deixando o tom irônico e sendo mais pragmático se não for levado a sério é sim um filme divertido. Com efeitos visuais no nível de Transformers e com roteiro pra lá de raso e sem conteúdo, vai seguir a receita do 2012 e se transformar num blockbuster de efeitos. Por fim vou lembrar: a trilha sonora talvez seja o MELHOR do filme … hahahaha.

Comentários

  1. André Farzat
    em 21/05/2012 11:19

    Cara, a situação #5 que você citou me fez lembrar os jogos de stealth ( como metal gear ) em que quando as guardas te encontravam vc se escondia ali no canto e depois de alguns segundos todo mundo voltava ao normal como nada tivesse acontecido hahaha

  2. Fabio Farzat
    em 01/06/2012 12:41

    Sem comentários! Que filme tosco!

Deixe seu comentário