As Aventuras de Tintim – O Segredo do Licorne

Hadock e Tintim

Vivi minha infância lendo as aventuras de Tintim. Na verdade lembro-me da minha mãe contando as histórias para mim porque eu ainda era muito pequeno e nem sabia ler. O Universo do cartunista belga Hergé era tão rico e empolgante que deixou lembranças até hoje no meu inconsciente. Tudo isso gerou uma grande expectativa minha neste filme. Mesmo sabendo que deveria evitar as óbvias comparações com as histórias originais, fui vê-lo com uma leve preocupação de sair do cinema decepcionado.

Decepção foi tudo o que não tive neste filme. O filme é extremamente bem feito, dirigido com preocupações voltadas para os detalhes que para a maioria podem passar despercebidos. Chamo a atenção até para os créditos iniciais que são preciosos, pois fazem uma homenagem às mais diversas aventuras do repórter.

Hergé

Quando o filme realmente começa, os fãs reconhecem de cara um personagem que não está nos álbuns, mas é o mais importante para a existência de Tintim. A cena onde aparece o rosto do protagonista pela primeira vez é muito bem montada. Uma forma inteligente de amenizar a comparação natural entre a versão digital e a versão original. Tintim, desenhado à mão pelo “famoso” artista de rua é mostrado como uma cópia que reflete a verdadeira imagem dos quadrinhos. Ali mostrava-se a percepção daquele artista, na verdade uma homenagem ao seu criador. Este tratamento funcionou muito bem. Com isso, Spielberg teve uma liberdade que permitiu com que Tintim não fosse um boneco de plástico com os olhos mortos, mas sim um jovem que poderia ser real, vivendo num mundo animado, bastante realístico.

Assim como na história em quadrinhos, o filme não perde tempo com apresentações e a aventura já começa nos primeiros minutos. Tintim encontra uma das réplicas do Licorne, navio que chama a sua atenção em uma feira de antiguidades. Minutos depois, a trama está montada, pois a tal réplica passa a ser cobiçada por vários interessados, demonstrando ser alvo de algum mistério.

História Original

Para quem conhece o Tintim da versão original, perceberá que o filme faz uma fusão muito bem feita de duas histórias (“O Caranguejo das Tenazes de Ouro” e “O Segredo do Licorne”). Os elementos principais foram aproveitados, resultando em uma história que faz todo sentido, que poderia tranquilamente ter sido escrita por Hergé.

O Capitão Haddock ganhou mais atenção neste filme. Os roteiristas optaram por uma versão mais parecida com a do álbum de estreia do personagem, “O Caranguejo das Tenazes de Ouro”, em que ele passa a maior parte do tempo bêbado. O roteiro, na verdade, gira em torno do velho lobo do mar, que tem suas origens explicadas através da história de seu antepassado Sir François, o capitão do Licorne.

A cena da batalha naval entre o Licorne e um navio pirata é uma das mais marcantes que eu já vi no cinema. A luta coreografada entre Sir François (capitão do Licorne) e o pirata Rackham é excepcional, bem como as transições entre os flashbacks e a narração do Capitão Haddock no deserto.

A qualidade da animação é monumental e o resultado com as crianças é maravilhoso, pois percebi que é a mesma que eu tinha na minha infância com os quadrinhos. Pedia sempre para ler de novo, de novo e de novo, até minha mãe cansar. Foi exatamente assim, quando acabou o filme, que a minha filha de 5 anos manifestou sua satisfação: Pai, podemos ver de novo?

Vencedor do Globo de Ouro na categoria de melhor animação, este filme ainda vai render muitos prêmios. Confesso que para mim, Spielberg se redimiu com este filme. Eu tinha ficado com uma péssima impressão do trabalho que tinha feito em Cavalo de Guerra. Neste filme, apesar de ser uma animação, a direção foi impecável. Não deixem de ver. Recomendo para adultos e crianças.

* * ** * *

Comentários

  1. André Farzat
    em 23/01/2012 07:06

    Confesso que eu não estava nem me importando com o filme. Eu nunca tinha ouvido falar de Tintim. Mas depois de ler aqui acho que vou dar uma chance a este filme.

    Um detalhe que você não falou, mas que pra mim é importante.
    Você assistiu dublado ou legendado ? se foi dublado, a bublagem está boa ?

Deixe seu comentário