Amor a toda prova (Crazy stupid love, 2011)

Capa do filme

Capa do filme

Estatisticamente falando nove entre dez comédias românticas são batidas e clichês. Até divertem com uma piada ou outra, mas não se destacam e nem ficam na lembrança como referência. Não foi o caso com Amor a toda prova (Crazy stupid love, 2011). O filme começa morno mas esquenta. E muito. E é dos filmes que passa lição mesmo sem um final lindo e maravilhoso, onde todos são felizes para sempre.

O filme começa bem despretensioso.O enredo a priori é sobre o divorcio de Carl Weaver (Steve Carell) com Emily Weaver (Julianne Moore). Um casal com três filhos e quase 25 anos de relacionamento. E acompanhamos o drama vivido por Carl ao sair de casa sem acreditar que isso está de fato acontecendo com ele. Ele acaba por conhecer Jacob (Ryan Gosling) em um bar onde estava desabafando os problemas em público. Jacob se torna seu “professor” na arte da sedução e tenta ajudar Carl a voltar a boa fase.

Até aqui, como eu disse, temos uma receita de bolo para comédias do tipo. Porém, o filme sai do comum e consegue, com apenas esses elementos, montar uma trama muito bem elaborada, onde da babá indo até aos amigos de trabalho, passamos por um desenrolar dos fatos bem original.

Me diverti muito com a reviravolta do filme que, com sutileza e inteligência, conseguiu me fazer rir e ainda passar a boa e velha lição de moral no final. Com certeza é um bom filme família que valoriza o espectador ao invés de tratá-lo como uma platéia que acredita em romances impossíveis e ponto. Recomendo!

Comentários

  1. Ótima pedida, com Carell no elenco fica difícil dar errado. Depois que ele saiu de “The Office” eu praticamente abandonei a série!

Deixe seu comentário